Coronavírus

Diante da necessidade de reduzir a sobrecarga das unidades de saúde e de evitar a exposição de beneficiários ao risco de contaminação, possui um fluxo de atendimento específico para COVID 19. A intenção é evitar a exposição desnecessária de pessoas saudáveis em unidades de saúde a fim de reduzir assim os riscos de contaminação e priorizar a assistência aos casos da Covid-19, sem prejudicar o atendimento aos demais beneficiários.

 

Na presença de sintomas gripais consistentes com a Covid-19:

Atentar-se para sinais e sintomas como: Febre, coriza, tosse, dor de garganta, cansaço, congestão nasal, perda do olfato ou paladar, diarreia, entre outros sintomas gripais.

Nossa Enfermeira Assistencial realiza a Triagem COVID 19 levantando informações sobre o início dos sinais e sintomas e histórico de contato com caso suspeito e confirmado. Será feita a análise do risco e o direcionamento para Teleconsulta.

Entre em contato com o Espaço Vita Sabin Sinai através dos telefone: 30268191 – 30268181 – 91483231

Será feito o monitoramento do nosso beneficiário por 14 dias ou até resultado negativo.

Orientação e esclarecimento de dúvidas.

Medidas e esclarecimentos

Informe-se sobre o tema e veja as dicas do Sabin Sinai que ajudam na sua saúde e a conter o contágio do vírus.

O que já se sabe sobre as variantes da Covid-19?

Segundo o European Centre for DiseasePreventionandControl, resultados preliminares de estudos sugerem que esta variante é significativamente mais transmissível, se comparada às variantes anteriores, com um aumento estimado de transmissibilidade de até 70%. Dado o alto poder de transmissão desta variante, ressalta-se a importância das medidas de controle e prevenção da disseminação do vírus já estabelecidas

Com a disseminação de variantes possivelmente mais transmissíveis, é muito importante reforçar as medidas de prevenção de infecções, destacando o uso correto da máscara (máscaras limpas, secas, bem ajustadas à face e que cubram durante todo o uso nariz, boca e queixo), o distanciamento social (mínimo de 1 metro) e a higiene das mãos com água e sabonete líquido OU preparações alcoólicas.

REFERÊNCIA:

·         NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/ANVISA Nº 04/2020 – 25/02/2021 ORIENTAÇÕES PARA SERVIÇOS DE SAÚDE: MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE QUE DEVEM SER ADOTADAS DURANTE A ASSISTÊNCIA AOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE INFECÇÃO PELO NOVO CORONAVÍRUS (SARS-CoV-2).

 

Quais os sinais e sintomas da doença COVID-19?

Os principais sinais e sintomas do coronavírus são respiratórios, semelhantes a de um resfriado comum. Os sintomas mais comuns são: tosse seca, febre e cansaço. Podendo apresentar também: dificuldade para respirar (falta de ar), dores no corpo, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta e diarreia.

 

Quem tem mais risco de desenvolver sintomas mais graves da doença?

Pessoas idosas e pessoas com doenças pré-existentes (como hipertensão, diabetes, problemas cardiovasculares e imunosuprimidos) são mais propensas a desenvolver a forma mais grave da COVID-19.

 

Como ocorre a transmissão do novo coronavírus?

O novo coronavírus é transmitido de pessoa para pessoa. A principal forma de transmissão se dá através do contato com gotículas do nariz ou da boca, expelidas pela pessoa quando espirra ou tosse. A transmissão também pode ocorrer quando uma pessoa toca em objetos contaminados e posteriormente realiza contato com olhos, nariz ou boca.

 

Posso me contaminar por meio de aperto de mão ou beijo no rosto?

Sim, pois pode entrar o vírus nas vias respiratórias. Por isso é o momento de revermos alguns hábitos sociais como cumprimentar com beijo no rosto ou com aperto de mãos. No caso do segundo, higienizar as mãos após é uma medida eficaz de prevenção.

 

Há algum risco de que animais de estimação espalhem o vírus?

Não. Mesmo na China, onde o vírus está circulando, não se sabe de casos em que animais domésticos tenham sido responsáveis pela transmissão do vírus. Recomenda-se evitar o contato direto.

Por quanto tempo a doença pode ficar incubada?

O período de incubação da doença é de 2 a 14 dias. Esse período consiste no intervalo entre a data da contaminação pelo vírus até o início dos sintomas.

 

Quais situações são consideradas de risco para adquirir a doença COVID-19?

Situação 1: Febre (acima de 37,8ºC) e sintomas respiratórios E retorno de viajem internacional ou de áreas do Brasil com transmissão comunitária nos últimos 14 dias

Situação 2: Febre (acima de 37,8ºC)  E sintomas respiratórios E contato com caso suspeito ou confirmado

Situação 3: Contato domiciliar ou caso confirmado nos últimos 14 dias E febre (acima de 37,8ºC)  OU sintomas respiratórios

Qual o exame diagnóstico feito para detecção do novo coronavírus? Quando devo realizá-lo?

O exame se chama RT – PCR. A realização desde exame é indicada pela equipe médica, a mesma irá realizar o pedido de acordo com a triagem clínica.

 

O que posso fazer para me proteger e evitar a propagação da doença?

  • Utilizar máscara cirúrgica ou de pano ao sair de casa;
  • Higienizar regularmente as mãos com álcool gel ou água e sabão;
  • Manter distância de pelo menos 2 metros entre você e qualquer pessoa (tosse ou espirro pode levar gotículas a mais de 2 metros);
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca, sem antes higienizar as mãos; Manter-se em isolamento quando possível, Evitar aglomerações e transportes públicos.

 

Grávidas correm risco maior?

Sim. Gestantes apresentam alterações no seu sistema imunológico (de defesa de infecções).

 

O que devo fazer se estiver com sintomas do coronavírus? Devo ir direto a uma emergência hospitalar?

Em 80% dos casos, os sintomas do coronavírus são leves, semelhantes a uma gripe.

Entre em contato imediatamente com o Espaço Vita Sabin Sinai que irá realizar a sua triagem e encaminhamentos necessários.

Nestes casos, se você tem uma coriza e mal-estar momentâneo, a orientação da Organização Mundial da Saúde é evitar sair de casa e aguardar. Alimente-se bem, mantenha-se hidratado e durma bem. Analgésicos e antitérmicos ajudam a aliviar o mal-estar.

Se apresentar febre e tosse, não espere agravar:  entre em contato com o Espaço Vita Sabin Sinai. Essa orientação vale para sempre que o paciente estiver em dúvida quanto a seu estado de saúde.

Caso você tenha alguma dificuldade respiratória (falta de ar), com ou sem febre, o seu caso é considerado grave! Procure imediatamente um serviço de emergência. Você será submetido a alguns procedimentos e, havendo confirmação da doença, será encaminhado a um hospital de referência para tratamento.

 

Como faço para tirar dúvidas sobre o novo Coronavírus com minha operadora de saúde?  Onde e como consigo fazer isso?

O Espaço Vita Sabin Sinai disponibiliza um canal direto via telefone e e-mail para esclarecer qualquer dúvida relacionada ao COVID-19. Em caso de dúvidas, ligue:

(32) 3026-8191 / 3026-8181 / (32) 9148-3231

WhatsApp: (32) 9148-3231

E-mail: espacovita@sabinsinai.com.br  /  enfermagem@sabinsinai.com.br

 

O que é o isolamento respiratório domiciliar e quem deve adotar essa medida?

O isolamento respiratório domiciliar é uma medida de segurança que deve ser adotada para evitar a propagação da doença. Ele deverá ser instalado conforme orientação médica.

O paciente deve permanecer em domicílio durante 14 dias, utilizar máscara cirúrgica e manter distância de outras pessoas, como familiares. É importante manter ambiente ventilado e não compartilhar com outras pessoas alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal. O paciente deve sempre cobrir a boca ao tossir ou espirrar, higienizar as mãos frequentemente com sabonete e água ou álcool gel, evitar tocar a boca, nariz e olhos sem higienização prévia das mãos.

 

Qual o exame diagnóstico feito para detecção do novo coronavírus? Quando devo realizá-lo?

O exame se chama RT – PCR.

Atualmente, por definição da Vigilância Epidemiológica de Juiz de Fora, em razão do número de testes restritos, a testagem só está sendo realizada em pacientes internados com agravo de quadro.

 

A internação é necessária para todo caso positivo para o teste COVID-19?

A internação deve ser definida pela equipe médica, mas é indicada para pacientes que apresentem agravamento dos sintomas, como insuficiência respiratória ou que tenham sinais sugestivos de pneumonia.

 

Os antibióticos são eficazes na prevenção ou tratamento da COVID-19?

Não, os antibióticos não funcionam contra o vírus. Funcionam apenas em infecções bacterianas, por isso os antibióticos não podem ser usados como meio de prevenção ou tratamento. Não é recomendado de uso de Ibuprofeno em caso de febre.

 

Existe vacina para prevenção ao coronavírus?

Até o momento, não. No entanto, cientistas ao redor do mundo, já iniciaram pesquisas para desenvolvimento de vacina e alguns antivirais estão em teste. Ainda é precoce indicar quando teremos uma vacina disponível. Será realizada a antecipação da vacina da gripe.

 

Que produtos de limpeza são capazes de matar o coronavírus?

Álcool 70%, água sanitária e até com a combinação de água e sabão.

Lactantes com suspeita da doença podem amamentar?

Até o momento não se detectou presença de vírus no leite materno e nem a contaminação de bebês por esta via. Vale lembrar que a transmissão ocorre por meio de secreções de vias aéreas. O uso de máscara cirúrgica e higiene das mãos antes do contato com o bebê são medidas que diminuem as chances de contágio.

 

O exame específico para detecção do novo coronavírus, o Covid-19, será coberto pelos planos de saúde?

SIM.

De acordo com a resolução normativa n° 453, de 12/03/2020, da Agência Nacional e Saúde Suplementar (ANS), seguindo o protocolo e diretrizes definidas pelo Ministério da Saúde.

 

Todos os beneficiários de planos de saúde terão direito a fazer o exame específico para detecção do Covid-19?

NÃO.

Somente serão cobertos pela operadora casos suspeitos ou prováveis de doença pelo Covid-19.

 

Em que situações o paciente se enquadra na definição de caso suspeito da doença?

Existem dois tipos de grupos de casos suspeitos.

Pessoas com histórico de viagem para países com transmissão sustentada ou área com transmissão local nos últimos 14 dias.

Pessoas que tenham tido contato com caso suspeito ou confirmado para Covid-19 nos últimos 14 dias.

Em ambos os grupos, a pessoa tem que apresentar ocorrência de febre (acima de 37,8° C) e pelo menos um dos seguintes sinais ou sintomas respiratórios: tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, dispneia (falta de ar), saturação de oxigênio menor que 95%, sinais de cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal.

Em que situações o paciente se enquadra na definição de caso provável da doença?

São considerados prováveis casos em que a pessoa tenha tido contato domiciliar com caso confirmado por Covid-19 nos últimos 14 dias.

Deve observar os sintomas e observar a presença de outros sinais e sintomas como: fadiga, mialgia (dor muscular), artralgia (dor articular), dor de cabeça, calafrios, manchas vermelhas pelo corpo, gânglios linfáticos aumentados, diarreia, náusea, vômito, desidratação e inapetência (falta de apetite).

 

Qual a diferença entre transmissão local e transmissão sustentada ou comunitária?

A transmissão é local quando o paciente infectado com o Covid-19 não esteve em nenhum país com registro da doença. Neste caso, a doença foi contraída por meio de contato com outra pessoa infectada fora do país. Foi desta forma que o Covid-19 chegou ao Brasil.

A transmissão sustentada ou comunitária ocorre quando uma pessoa que não esteve em nenhum país com registro da doença é infectada por outra pessoa que também não viajou. Foi esta a forma de disseminação do Covid-19 predominante na China, Coreia do Sul e Itália.

 

Qualquer um pode se dirigir a um laboratório para fazer o exame específico para detecção do Covid-19 a ser coberto pelos planos?

NÃO.

O exame específico será feito apenas nos casos em que houver indicação médica para casos classificados como suspeitos ou prováveis de doença pelo Covid-19.

As pessoas com suspeita não devem se dirigir a laboratórios ou clínicas para realizá-los. Seguindo orientações das autoridades sanitárias, a coleta de material para o exame, quando for o caso, será feita em domicílio ou ambiente hospitalar, a fim de evitar contaminação de outras pessoas.

 

Onde o exame específico para detecção do covid-19 deve ser realizado?

O beneficiário não deve se dirigir a laboratórios, hospitais ou outras unidades de saúde sem antes consultar sua operadora de plano de saúde para informações sobre o local mais adequado para a realização de exame ou para esclarecimento de dúvidas sobre diagnóstico ou tratamento da doença.

 

Meu exame para o Covid-19 deu positivo, ou seja, tenho o vírus. Os planos de saúde cobrem o tratamento do novo coronavírus?

Importante registrar que não há tratamento específico para infecções causadas por coronavírus. Pacientes infectados recebem medicação para aliviar os sintomas, como analgésicos e antitérmicos. O tratamento indicado pelo Ministério da Saúde é repouso e ingestão de bastante água e líquidos.

A cobertura do tratamento a pacientes diagnosticados com Covid-19 já é assegurada a beneficiários de planos de saúde, conforme a segmentação (ambulatorial, hospitalar ou referência) contratada.

Em casos indicados, o beneficiário terá direito a internação caso tenha contratado cobertura para atendimento hospitalar (segmentação hospitalar) e desde que tenha cumprido os períodos de carência, se houver previsão contratual.

Fontes: Ministério da Saúde e Agência Nacional de Saúde Suplementar

CUIDADOS DOMICILIARES DE INFECÇÃO POR CORONAVÍRUS

  • Usar máscara em ambientes compartilhados;
  • Não dividir itens pessoais e desinfetar áreas comuns;
  • Separação de objetos pessoais;
  • Limpeza imediata de banheiros após o uso;
  • Separação de indivíduos em cômodos diferentes da casa;
  • Destinar um quarto e um banheiro para uso exclusivo da pessoa infectada ou com suspeita de infecção;
  • Caso o domicílio não tenha mais de um quarto, a recomendação é deixar o quarto para a pessoa suspeita, os demais durmam na sala;
  • Cômodo com o paciente isolado deve ficar todo o tempo com a porta fechada,mas é necessário manter a janela aberta para que haja uma fonte de ventilação e entrada de luz solar;
  • A pessoa infectada ou com suspeita de infecção tem de trocar a própria roupa de cama;
  • Se houver secreções na roupa de cama, ela deve embalar em um saco plástico antes de levar à máquina de lavar ou ao tanque;
  • Também é importante manter uma lixeira ao lado da cama, com saco plástico, para jogar o lixo;
  • Quando o recipiente estiver cheio, a pessoa deve fechar a sacola e só depois despejar em lixeiras comuns, seja da casa, da rua ou do prédio;
  • Moradores de casas menores e com número maior de pessoas precisarão ter mais cuidados higiênicos quanto a espirro, tosse e compartilhamento de objetos;
  • Nos casos de salas compartilhadas ou casas com apenas um cômodo, pessoas infectadas e pessoas sem a doença não podem compartilhar o mesmo sofá ou colchão;
  • Se for possível, a recomendação é manter 2 metros de distância da pessoa infectada ou suspeita;
  • Não é necessário manter isolamento de animais de estimação;
  • Residentes em domicílios de apenas um cômodo, a recomendação é de que as pessoas saudáveis procurem a casa de algum parente.

NOS AMBIENTES COMPARTILHADOS DA CASA

  • Comunicação seja feita por meios indiretos, como o telefone.
  • Dividindo O MESMO cômodo, pessoas infectadas precisam estar com um lenço de papel ou papel higiênico que cubra o nariz e a boca em caso de tosse e espirro.
  • Se as pessoas não tiverem esse lenço, precisam tossir e espirrar no antebraço e lavar os braços e as mãos imediatamente.
  • Nesses ambientes compartilhados, a pessoa infectada precisa estar o tempo todo com máscara.
  • A recomendação é que pessoas infectadas nunca passem o dia inteiro no mesmo cômodo em que ficam as não infectadas.
  • Quando o banheiro é compartilhado, o paciente infectado ou com suspeita de estar infectado precisa desinfetar todas as superfícies usadas por ele: vaso sanitário, interruptores, maçaneta, descarga, box e regulador de temperatura do chuveiro, por exemplo.
  • Objetos que antes eram compartilhados, como pasta de dente, sabonete de pia e toalha de rosto devem passar a ser individuais.
  • Também é necessário tirar a escova de dente da pessoa infectada ou com suspeita de infecção do mesmo recipiente das demais.
  • A limpeza de alguns móveis e objetos precisará ser feita diversas vezes ao dia e seguindo cuidados específicos: a pessoa que for limpar a casa precisa estar com máscara, luva, óculos e avental; todas as superfícies de contatos constantes devem ser limpas: pia, maçanetas, mesas, interruptores, assentos de sofá, cadeiras e vaso sanitário, torneiras etc; sabão, álcool acima de 70 e desinfetantes são eficientes para a limpeza;
  • Manter as lixeiras com tampas fechadas e usar saco hermeticamente fechado;
  • Roupas e acessórios de cama e banho do infectado precisam ser lavadas após o uso e secas em local arejado.
  • A lavagem adequada das máscaras de tecido é fundamental
    • Não misture a máscara com outras roupas, use o sabão de sua preferência.
    • Enxague bem, pois o cheiro forte dos produtos de limpeza podem irritar o nariz.
    • Coloque para secar no sol.
    • Quando estiver bem seca, passe a ferro.
    • Guarde em um saco plástico limpo.
  • Tire os calçados antes de entrar na sua residência.
  • Cumprimente apenas com seu sorriso e fale positivamente com todos.
  • Ao chegar em casa, não toque nas coisas antes de lavar as mãos e higienizá-las.
  • Limpe seu celular imediatamente, use um lenço ou papel com álcool 70, passe por toda a superfície frente e verso, depois descarte o lenço ou papel.
  • Limpe as embalagens que trouxe antes de armazená-las.
  • Deixe em um único local, chaves, bolsas, carteiras e objetos pessoais separados.
  • Tome banho assim que chegar.
  • Armazene as roupas que tirou numa sacola e em seguia coloque-as no cesto de roupa suja.

Na luta contra o CORONAVÍRUS!

 

  • Use sempre máscara e da forma correta, cobrindo a boca e o nariz.
  • Desinfetar o chão, banheiros e pias com água sanitária.
  • Manter as janelas e portas internas abertas, deixando todo ambiente bem ventilado.
  • Não compartilhar, copos, talheres, pratos e objetos pessoais.
  • Evite utilizar o transporte coletivo.
  • Mantenha distância das pessoas.
  • Ao tossir ou espirrar use a etiqueta respiratória, tenha bom senso.
  • Lave o enxoval e roupas com mais frequência.
  • Ao sair de casa evite usar acessórios como anéis, pulseiras e brincos.
  • Lave ou higienize as mãos ao tocar em superfícies.
  • Não coloque as mãos no rosto antes de lavá-las e fazer a higienização correta.
  • Qualquer dúvida ligue 136, principalmente se tiver febre e dificuldade para respirar.

Em virtude da chegada e propagação do novo coronavírus (COVID-19) no Brasil, o Programa Maternar Sabin Sinai orienta as nutrizes sobre a amamentação em mulheres que estejam com suspeita ou infectadas pelo vírus.

 

Ressaltando que devemos manter a amamentação em mães portadoras do COVID-19, uma vez que as principais publicações sobre o tema, até então, indicam que os benefícios do aleitamento para o bebê superam os riscos de transmissão.

Até onde as evidências atuais indicam, gestantes e puérperas não possuem risco individual aumentado para o novo coronavírus.

Contudo medidas devem ser adotadas para proteção da criança.

Além disso, gestantes e puérperas têm maior potencial de risco para desenvolvimento de Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAG por Síndrome Gripal decorrente do vírus da Influenza.

DESTA FORMA, IMPORTANTE SEGUIR AS RECOMENDAÇÕES:

Ressaltamos que a realidade em situações de epidemia é bastante dinâmica e os processos de trabalho necessitam de constante reavaliação e planejamento em conformidade com os fluxos, protocolos e notas técnicas vigentes, atualizados frequentemente.

GESTANTES

  • Mesmo podendo representar manifestação fisiológica da gravidez, a queixa de dispnéia deve ser valorizada na presença de síndrome gripal;
  • Em pacientes com sinais de agravamento, incluindo SpO2<95%, considerar o início imediato de oxigenioterapia, monitorização contínua e encaminhamento hospitalar;
  • Gestantes e puérperas, mesmo vacinadas, devem ser tratadas com antiviral, fosfato de oseltamivir (Tamiflu), na dose habitual para adultos, indicado na síndrome gripal independentemente de sinais de agravamento, visando à redução da morbimortalidade materna
  • Não se deve protelara realização de exame radiológico em qualquer período gestacional quando houver necessidade de averiguar hipótese diagnóstica de pneumonia.
  • A elevação da temperatura na gestante deve ser sempre controlada com antitérmico uma vez que a hipertermia materna determina lesões no feto. A melhor opção é o paracetamol.

PUERPERAS

Para as mães que amamentam:

  • Manter a amamentação
  • Manter, preferencialmente, o binômio em quarto separados
  • Manter distância mínima do berço do RN e mãe de 2 metros.
  • Orientar a realizar etiqueta respiratória.
  • Orientar a higienização das mãos imediatamente após tocar nariz, boca e sempre antes do cuidado com o RN.
  • Orientar o uso de máscara cirúrgica durante o cuidado e a amamentação do RN
  • Profissional de saúde ao atender a puérpera e RN deve seguir as orientações de precaução padrão e gotículas.
  • Caso a puérpera precise circular em áreas comuns da casa, utilizar máscara cirúrgica.

Para as mães que não amamentam:

  • Se possível solicitar que a rede de apoio ofereça o complemento ao bebê
  • Manter, preferencialmente, o binômio em quarto separados
  • Manter distância mínima do berço do bebê e mãe de 2 metros.
  • Orientar a realizar etiqueta respiratória.
  • Orientar a higienização das mãos imediatamente após tocar nariz, boca e sempre antes do cuidado com o bebê.
  • Orientar o uso de máscara cirúrgica durante o cuidado e oferta de complemento ao bebê.
  • Profissional de saúde ao atender a puérpera e bebê deve seguir as orientações de precaução padrão e gotículas.
  • Caso a puérpera precise circular em áreas comuns da casa, utilizar máscara cirúrgica.

ATENDIMENTO NOS HOSPITAIS

  • Hospital Albert Sabin: retomou a liberação de entrada das doulas e serviço de filmagem e fotografia (equipe autorizada).
  • Hospital Monte Sinai: transmissão do parto por meio on-line disponível, informar-se com setor de Admissão.

ORIENTAÇÕES GERAIS

Pacientes ASSINTOMÁTICAS ou sem histórico de contato com caso confirmado de COVID-19: não é necessário coletar COVID-19 ou colocar em precaução específica para COVID-19

Gestante ou puérpera com contato de caso confirmado de COVID-19 e assintomática, utilizar mascara cirúrgica por 14 dias e não é colocada em precaução especifica para COVID-19: bebê em alojamento conjunto

Assintomática que apresente sintomas ao longo da internação, instituir precaução especifica (contato e gotícula) e seguir fluxo de COVID-19

Gestante ou puérpera positiva – precauções específicas (contato e gotícula) para COVID-19, verifique o manejo.

 

Conteúdo atualizado em 22 de setembro de 2020.